Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Comentador de Bancada

Comentador de Bancada

Sem sucessores para o trono

Foi há dez anos que um jogador não chamado Cristiano Ronaldo ou Lionel Messi venceu pela última vez a Bola de Ouro (na versão só da France Football ou associada à FIFA). Estávamos em 2007 e Kaká tinha acabado de guiar o AC Milan à vitória na Liga dos Campeões. Abaixo dele ficaram nesse ano Ronaldo e Messi. Depois disso, um deles venceu o troféu e apenas em 2010 o outro não ficou no segundo lugar (quando Messi venceu o troféu e Xavi e Iniesta, acabados de levar a Espanha ao título mundial, ficaram no pódio).

 

Este domínio é completamente sem precedentes e será difícil que se repita. Sem precedentes porque raramente dois jogadores estiveram tão acima dos seus contemporâneos e mrcaram o jogo de forma tão brutal. Também porque nos períodos em que houve situações semelhantes (nos anos 50 com Puskas e Di Stefano, nos anos 70 com Cruijff e Beckenbauer, por exemplo), ne o domínio era tão intenso nem havia uma exposição mediática tão extensa e tão focada nos momentos de brilhantismo destes jogadores. Efectivamente, tão importante como os seus talentos e desejo de vencer é o apouio mediático que os jogadores recebem dos seus clubes e do seu staff, cientes que estão da mina de ouro que possuem.

 

 

Um colapso histórico

Ontem o Barcelona e o Paris St. Germain fizeram história no futebol europeu. Não só o Barcelona conseguiu virar a desvantagem de 0-4 que trazia do primeiro jogo como o PSG conseguiu que o Barcelona o fizesse. Os dois aspectos estão interligados e, por muito mérito que o Barcelona tenha tido (e teve-o), o que se passou é devido igualmente aos franceses (e ao árbitro, mas a isso regresso mais abaixo).

 

Tacticamente

O Barcelona apresentou-se com a atitude que tinha que apresentar: muito atacante, decidido a fazer tudo o possível por vencer, sabendo que o jogo poderia ser decidido depois dos 90 minutos (como Luis Enrique e Luis Suarez fizeram questão de dizer antes do jogo). A táctica andava no 3-5-2, com Rafinha e Neymar a laterais-alas, Mascherano, Piqué e Umtiti na defesa, Busquets, Iniesta e Rakitić no meio campo e Messi atrás de Suarez no ataque. Na realidade o Barcelona chegou a apresentar um desenho táctico de 0-3-3-4, com Rafinha e Neymar a jogar extremamente avançados e os três centrais à frente da linha do meio campo. Era um desenho altamente arriscado, mas o Barcelona não tinha opções. Se começasse a correr mal, poderia sempre reverter para uma opção mais conservadora e aceitar a eliminação. Antes disso, porém, havia que acreditar.

 

 

O declínio do Barcelona

Não era suposto ser assim. No ano da morte de Johan Cruijff, num momento em que o Barcelona destruía o Arsenal e parecia ser intocável na Europa, numa altura em que estava com 7 pontos de vantagem sobre o segundo classificado na Liga (Atlético de Madrid), num período em que o trio atacante continuava a fazer sonhar todos os apreciadores de bom futebol e numa altura em que não só parecia estar no bom caminho para ser a primeira equipa  areter o título na era Liga dos Campeões como a primeira equipa a ser capaz de repetir o "triplete" em anos consecutivos....

 

Quando tudo parecia estar a correr sobre rodas... 4 derrotas, um empate, eliminação na Liga dos Campeões e vantagem na Liga apenas no duelo individual com o Atlético.

 

Não, não era suposto ser assim. Este era suposto ser o ano em que o Barcelona demonstrava de vez que o seu sucesso recente se devia a mais que Guardiola e derivava de uma filosofia verticalizada em todo o clube. Era o ano em que a filosofia do passe, da pressão e procura de espaços finalmente atingiria o seu expoente máximo na forma como maximizava o potencial de um trio atacante que se complementa como poucos na história. Não era suposto a narrativa continuar assim.

 

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D