Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Comentador de Bancada

Comentador de Bancada

Coisas a resolver até ao Mundial

Felizmente que me enganei e que Portugal se qualificou sem engulhos para o Mundial. A Suíça ajudou, apresentando-se como uma equipa muito fraquinha que só não perdeu por bastante mais porque não calhou. Quem os apanhar nos play-off não se deverá preocupar por aí além.

 

Agora que Portugal está apurado, está na hora de começar a preparar o trabalho para uma competição de um mês onde haverá potencialmente 7 jogos (média de um jogo a cada 4 dias). Há certas áreas que Fernando Santos terá que definir depressa.

 

 

Também publicado aqui.

À porta do Mundial?

Andorra-Portugal

Aos 60 minutos do jogo do passado sábado com Andorra dei por mim a pensar que se Portuga não conseguisse vencer esse jogo, não mereceria ir ao Mundial (o empate teria utomaticamente enviado Portugal para o play-off). Nessa altura estávamos já na segunda parte e Fernando Santos tinha enviado a cavalaria na forma de Cristiano Ronaldo. Ao mesmo tempo tinha corrigido um enorme erro: começar o jogo com 3 jogadores que jogam na ala -Bernardo Silva, Gelson Martins e Ricardo Quaresma - decisão que terá sido a principal repsonsável pela exibição quase completamente inofensiva que Portugal teve na primeira parte.

 

Não se trata da qualidade de cada um dos jogadores. Qualquer um deles podia começar o jogo e eu não teria tido objecções a dois deles (embora eu preferisse sempre Quaresma presente para jogar na ala esquerda, onde é mais eficaz que os outros dois). Só que jogar com os 3 e adicionar-lhes dois laterais muito ofensivos era receita para congestionar a ala. Com a preferência de Bernardo Silva e Gelson Martins pela direita e com a maior capacidade de Nelson Semedo em subir e descer pelo flanco, acabámos por ver Portugal a tentar transformar a lateral ofensiva direita nas portagens da ponte 25 de Abril em hora de ponta. A certa altura julgo ter visto estes 3 e Quaresma num espaço de terreno não maior que 4 metros quadrados.

 

A partir deste momento foi fácil a Andorra defender: colocaram-se recuados, encheram a grande área e foram lidando calmamente com os cruzamentos. Com apenas André Silva dentro da grande área era fácil aos 284 defesas centrais andorrenhos marcá-lo. A solução, além da entrada de outro avançado, teria sido o uso de médios centro a entrar na área vindos de trás e a aproveitar cruzamentos atrasados. Neste aspecto teria sido um melhor uso de Nélson Semedo, que vai bem à linha fazer cruzamentos atrasados rasteiros mas está aquém de Cédric Soares na precisão de cruzamentos a partir de posições mais afastadas da área. Não por acaso os dois golos surgiram da adição de corpos na grande área adversária. No primeiro Ronaldo duplicou o número de jogadores a marcar e no segundo a presença de William Carvalho, vindo de trás, deu um alvo ao cruzamento de Ronaldo e permitiu confundir os andorrenhos.

 

No final o essencial foram os 3 pontos, mais que os golos, onde já estamos destacados o suficiente dos suíços para que seja um não-tema. Para este jogo faltará saber que Portugal iremos ver. Os suíços não têm grandes estrelas (Xhaka e Shaqiri são os mais conhecidos) mas têm um bom colectivo e vários jogadores de bom nível e com capacidade de oferecer consistência à equipa (Lichtsteiner, Rodriguez, Schär, Frei, Embolo, Mehmedi...). Têm tirado o máximo proveito de um grupo fraco e têm demonstado eficácia ao vencer até agora todos os seus jogos.

 

Em condições normais Portugal deveria vencer este jogo. O problema é que os portugueses são pouco pacientes e se após 20 minutos Portugal ainda não tiver marcado (ou estiver perto de o fazer) o público poder-se-à virar contra a selecção e fazer começar os assobios, assim aumentado a pressão. Pessoalmente tenho algum receio do que irá suceder se Cristiano Ronaldo não estiver ao seu melhor. Fernando Santos demonstrou ser finalmente capaz de retirar o máximo de Ronaldo (embora isso seja ajudado pela emergência de André Silva, que ofereceu finalmente um parceiro capaz de atrair algumas atenções de defesas), mas também tornou a equipa excessivamente dependente dele (e não vale a pena falar da final do Euro: foi um caso único - literalmente).

 

Titulares na terça feira serão provavelmente Patrício, Pepe, Cédric, Eliseu, William, João Mário, Bernardo, André Silva e Ronaldo. Depois ficará por saber quem será o segundo central e se jogará Quaresma (ou Gelson) ou Danilo (ou André Gomes). Na segunda questão trata-se de definir se Fernando Santos aposta num 4-4-2 com alas invertidos (Bernardo à direita e Quaresma/Gelson à esquerda) ou num falso 4-3-3 com Ronaldo a começar nominalmente no flanco esquerdo mas a ir para onde quer, com outro médio (André Gomes ou João Mário) a descair para a esquerda. Esta segunda parte seria provavelmente mais segura. A Suíça tem uma boa dupla na direita, com Shaqiri e Lichtsteiner a oferecerem qualidade no ataque e defesa, pelo que seria aconselhável fazer Lichtsteiner reduzir as investidas no flanco (com a ameaça de Ronaldo a descair para ali) e oferecer protecção a Eliseu contra Shaqiri (usando um dos médios). Além disso um jogador extra no meio campo ajudaria a combater o meio campo suíço e estabilizar uma zona onde os helvéticos esperarão poder controlar o jogo.

 

Amanhã veremos, mas para já vou para o jogo com expectativas algo em baixa. Ainda não vi nada da selecção que me dê segurança. Espero estar enganado.

Portugal na Taça das Confederações

No ano passado coloquei a questão: deve Portugal jogar para a vitória na Taça das Confederações ou simplesmente rodar jogadores e fazer cumprir calendário? A pergunta não era ociosa. Como se vê agora com a Alemanha, Joachim Löw decidiu-se pela segunda opção, fazendo alinhar jovens e alguns jogadores mais experientes que poderão não ter ainda a presença no mundial do próximo ano garantida a 100%. Fernando Santos, como sabemos, optou pela primeira opção: levar a equipa mais forte e tentar vencer a competição.

 

É uma opção lógica, tal como a alternativa o seria. Para uma equipa como a Alemanha, capaz de fazer alinhar uma segunda linha de jogadores e ainda ser candidata ao título, fazer descansar alguns jogadores seria sensível. Portugal, contudo, tem uma base de talento mais reduzida. Uma opção por descansar os jogadores mais experientes ou com mais jogos nas pernas acarretaria inevitavelmente maus resultados desportivos. Era uma opção de tudo ou nada.

 

 

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Posts mais comentados